sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Salvation is here (Salvação Está Aqui)


Salvation is here (Salvação Está Aqui)

God above all the world in motion

(Deus acima de todo o mundo em movimento)

God above all my hopes and fears

(Deus acima de todas minhas esperanças e medos)

And I don't care what the world throws at me now

(E eu não me importo com o que o mundo joga em mim agora)

It's gonna be alright

(Tudo ficará bem)


Hear the sounds of the generations

(Ouça os sons das gerações)

Making loud our freedom song

(Gritando nossa canção de liberdade)

All in all that the world would know Your name

(Tudo em tudo que o mundo saberia Seu nome)

It's gonna be alright

(Tudo ficará bem)


Cause I know my God saved the day

(Porque eu sei que meu Deus salvou o dia)

And I know His Word never fails

(E eu sei que Sua Palavra nunca falha)

And I know my God made a way for me

(E eu sei que meu Deus fez um caminho pra mim)

Salvation is here

(Salvação está aqui)



Salvation is here

(Salvação está aqui)

Salvation is here and He lives in me

(Salvação está aqui e Ele vive em mim)

Salvation is here

(Salvação está aqui)

Salvation is here and He lives in me

(Salvação que morreu só pra me pôr livre)

Salvation is here

(Salvação está aqui)

Salvation is here and He lives in me

(Salvação está aqui e Ele vive em mim)

Salvation is here

(Salvação está aqui)

Cause You are alive and You live in me

(Porque Tu estás vivo e Tu vives em mim)

ONDE ESTÁ A SUA CONFIANÇA?


“Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da trombeta, da flauta, da harpa, da cítara, do saltério, da gaita de foles, e de toda a sorte de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se não a adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro duma fornalha de fogo ardente; e quem é esse deus que vos poderá livrar das minhas mãos?

Responderam Sadraque, Mesaque e Abednego, e disseram ao rei: Ó Nabucodonosor, não necessitamos de te responder sobre este negócio.

Eis que o nosso Deus a quem nós servimos pode nos livrar da fornalha de fogo ardente; e ele nos livrará da tua mão, ó rei.

Mas se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.” Dn 3.15-18

Primeiramente qual o conceito de “confiança”? Confiança: acreditar, entregar, transmitir algo para alguém.

Mas até que ponto confiamos em Deus? Até quando depositamos nossa confiança Nele? Somente quando está tudo bem ou em algumas determinadas áreas de nossa vida e outras não ou confiamos completamente? Essas são perguntas que poderiam diversas respostas, mas podemos ter a certeza que a “desconfiança” gera frutos que, definitivamente, atrapalham nosso relacionamento com Deus.

Quando estamos “desconfiados” com algo ou alguém é porque nos falta confiança. E isso acontece muito em nossos templos, principalmente nos nossos templos pessoais (nós mesmos)...e quando estamos “desconfiados” com algo de Deus surgi:

1 – INCREDULIDADE
“Segundo o número dos dias em que espiastes a terra, a saber, quarenta dias, levareis sobre vós as vossas iniqüidades por quarenta anos, um ano por um dia, e conhecereis a minha oposição.” Nm 14.34

A incredulidade em Deus e em seus prodígios costuma causar problemas ainda maiores do que enfrentamos a princípio. Ao irmos a direção oposta de Deus, desacreditando de Seu poder e agir, inevitavelmente corremos em direção aos problemas.

2 – TENSÃO

“E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão no deserto.

Pois os filhos de Israel lhes disseram: Quem nos dera que tivéssemos morrido pela mão do Senhor na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! porque nos tendes tirado para este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão.” Dt 16.2,3

Diante da escassez, do perigo e inconveniência os israelitas queixaram-se amargamente e desejaram voltar para o Egito. Quando perdemos a confiança, as circunstâncias difíceis com freqüência ocasionam o estresse. Naquele momento, os israelitas não conseguiam visualizar a causa de sua tensão, que era a falta de confiança em Deus, e apenas pensavam no modo mais fácil de escapar.

3 – MEDO

“Por esta razão te lembro que despertes o dom de Deus, que há em ti pela imposição das minhas mãos.

Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” II Tm 1.6,7

Quando nos falta confiança no Senhor acontece o que poderia ter acontecido com Timóteo caso Paulo não o tivesse advertido. Paulo o exortou a ser corajoso. Quando nos encontramos numa posição de falta de confiança, permitimos que pessoas ou coisas nos neutralizem, causando medo e neutralizando nossa efetividade para com Deus.

O que quer que façamos, é necessário que tenhamos, sempre, a confiança firmada no Senhor, pois ela está atrelada a nossa “fé” (Mc 9.24 - Imediatamente o pai do menino, clamando, [com lágrimas] disse: Creio! Ajuda a minha incredulidade.).

Não importa o momento que passamos,a tribulação vindoura, mas permanecemos firmados Nele (Sl 125.1 - Aqueles que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre.). E aquele que ainda falta, peça-a que o Espírito Santo nos dá (I Co 2.4,5)

FAÇA COMO SADRAQUE, MESAQUE E ABEDNEGO...CONFIE EM DEUS!!! NÃO IMPORTANTO A CIRCUNSTANCIA...

NÃO ANDEIS ANSIOSOS COM O DIA DE AMANHÃ....PROCURA FAZER A VONTADE DO SENHOR QUE ELE IRÁ SUPRIR SUAS NECESSIDADES (Mt 6.33) POIS SE O SEU TESOURO MAIOR FOR O SENHOR TAMBÉM ESTARÁ ALI O SEU CORAÇÃO (Mt 12.34).

Ser “Levita” é ser músico ou cantor?


Muitas pessoas tem uma concepção errada do que significa ser um “levita”. Hoje este termo está totalmente associado a quem é músico ou canta na igreja e se tornou uma tradição em nosso meio.

No Novo Testamento não há nenhuma referência quanto a “levitas”, mas cita o seguinte:

“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” Jo 4.23
Percebemos que há uma coisa que o Senhor busca em cada um de nós: VERDADEIROS ADORADORES! Não são “levitas”, “pastores”, “recepcionistas”, “diáconos” ou outros cargos que existem na igreja, embora muitos desses exigem que a pessoa se separe para Ele. Mas busca pessoas que O adore na íntegra, estando ou não acompanhado, sendo vistos ou não, mas amam o Senhor e adoram em qualquer lugar, em qualquer circunstância.

Mas de onde vem o termo “levita”? Originalmente vem de “descendentes de Levi” onde após o fato ocorrido do bezerro de ouro em que Moisés desceu do monte e viu o povo idolatrando e se encheu de ira e cobrou um posicionamento. Daí os descendentes de Levi se manifestaram para servirem somente ao Senhor:

“pôs-se em pé à entrada do arraial, e disse: Quem está ao lado do Senhor, venha a mim. Ao que se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi.” Ex 32.26

Daí em diante os levitas se tornaram ministros de Deus onde ajudavam diretamente os sacerdotes, cuidando do Tabernáculo e de seus utensílios, não exercendo uma função de promover a música no Templo, pois não havia isso na época, sendo inserido por Davi.

Mas quando David inseriu a música como parte integrante do culto, até mesmo porque ele era músico e via a importância nela para a adoração ao Senhor ser maior, ele não criou uma “ala” somente de músicos, veja:
“Foram contados os levitas de trinta anos para cima; e foi o número deles, segundo o seu registo, trinta e oito mil homens. Deste número vinte e quatro mil promoverão a obra da casa do Senhor; seis mil servirão como oficiais e juízes; quatro mil como porteiros; e quatro mil para louvarem ao Senhor com os instrumentos, que eu fiz para o louvar, disse Davi.” I Cr 23.3-5

Ele criou, por último, os músicos. Não que seja o menos importante, mas não eram somente músicos. Ser um levita músico era somente uma “divisão” dentre eles de tarefas, mas tinha porteiros, promover a obra da casa do Senhor, oficiais e juízes e músicos ou cantores (promover a música no culto).ndo em posse isso, podemos concluir que todos que servem em qualquer ministério ligado ao culto são levitas. É simplesmente um servo e não alguém que esteja na igreja para ser alvo da glória humana. É muito mais do que ser músico ou cantor!

Os levitas também eram designados a PROFETIZAR com harpas, saltérios e alaúdes (ou seja, instrumentos) e ensinar da Palavra de Deus ao povo.
“Também Davi juntamente com os capitães do exército, separou para o serviço alguns dos filhos de Asafe, e de Hemã, e de Jedútum para profetizarem com harpas, com alaúdes, e com címbalos. Este foi o número dos homens que fizeram a obra:segundo o seu serviço.” I Cr 25.1

“Também Jesuá, Bani, Serebias, Jamim, Acube; Sabetai, Hodias, Maaséias, Quelita, Azarias, Jozabade, Hanã, Pelaías e os levitas explicavam ao povo a lei; e o povo estava em pé no seu lugar.” Ne 8.7ortanto, se quisermos usufruir do termo “LEVITAS” precisamos ser “SERVOS, SEPARADOS, SANTOS PARA O SENHOR”, estar disposto para o serviço, evangelizando, pregando a Palavra, com o foco somente numa coisa: JESUS!

AS ATITUDES FALAM POR SI MESMAS

Para iniciar o estudo vamos conceituar o que é “atitude”: Norma de proceder; reação ou tendência determinada de comportamento em relação a qualquer estímulo ou situação; propósito. Tendo conceituado o que é atitude podemos observar que em muitos momentos na vida ouve-se falar de comportamento de pessoas que não condiz com as atitudes que ela toma em seu trabalho, escola, faculdade, casa e igreja. E pior: muitas pessoas não param para analisar se o assunto cogitado tem fundamento ou pelo menos se aproxima das atitudes daquela pessoa.

Vejamos em Gênesis 4:3-5
“Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Ora, atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou. Pelo que se irou Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.”

A Bíblia não explica porque Deus não aceitou o sacrifício de Caim. Talvez seu coração não estivesse realmente voltado a agradar a Deus e sim tirar proveito da situação para usufruto de outra. Contudo a atitude de Abel foi genuína, sincera e dando o seu melhor, de coração. Isso o Senhor olha de uma maneira especial e sem dúvida Ele achará graça perante a pessoa que age dessa forma.

Em outra situação podemos ver mudança de atitude em relação à outra anterior. Vejamos em Gênesis 44:32,33

“Porque teu servo se deu como fiador pelo menino para com meu pai, dizendo: Se eu to não trouxer de volta, serei culpado, para com meu pai para sempre. Agora, pois, fique teu servo em lugar do menino como escravo de meu senhor, e que suba o menino com seus irmãos.”
Neste exato momento Judá, filho de Jacó, irmão de José e Benjamim estava com uma grande responsabilidade: garantir a segurança do jovem Benjamim, como prometeu a seu pai Jacó (43:9). Eis ai uma chance de se redimir de uma atitude errada tomada no passado com José quando o venderam para os ismaelitas sendo o mesmo o mentor da atitude dos demais.
E ele o fez! Judá mudou sua forma de agir e tomou uma atitude realmente de uma pessoa de Deus, encarando e assumindo suas responsabilidades, tendo atitude correta que antes não tivera com José. Prova que as pessoas podem mudar suas atitudes que antes tomaram... e para melhor.

Podemos também relatar uma atitude de Davi com Saul e Jônatas, seu filho. Vejamos em II Sm 1:17

“Lamentou Davi a Saul e a Jônatas, seu filho, com esta lamentação.”

Davi tinha todos os motivos para ter raiva, detestar Saul, mas preferiu ter outra atitude: a de se concentrar nas boas obras deste rei e ignorar as ocasiões em que o atacara. Essa atitude de Davi é louvável pois não é fácil exaltar as qualidades de uma pessoa que é seu inimigo direto. Contudo muitas pessoas, mesmo sendo amigas uma das outras ou até mesmo companheiras de ministério sempre enaltecem os erros do que as qualidades. Não procura ver na postura de outra pessoa um lado positivo com suas qualidades e aptidões.

Contudo podemos analisar se uma pessoa tem atitudes mais positivas do que negativas: veja sempre o que ela fala primeiramente sobre um determinado assunto. Ela mesma se denuncia do que ela está realmente tendenciosa e a Palavra de Deus diz que “pois do que há em abundância no coração,disso fala a boca” Mt 12.36b. Vejamos em Números 13:25-31:

“Ao fim de quarenta dias voltaram de espiar a terra. E, chegando, apresentaram-se a Moisés e a Arão, e a toda a congregação dos filhos de Israel, no deserto de Parã, em Cades; e deram-lhes notícias, a eles e a toda a congregação, e mostraram-lhes o fruto da terra. E, dando conta a Moisés, disseram: Fomos à terra a que nos enviaste. Ela, em verdade, mana leite e mel; e este é o seu fruto. Contudo o povo que habita nessa terra é poderoso, e as cidades são fortificadas e mui grandes. Vimos também ali os filhos de Anaque. Os amalequitas habitam na terra do Negebe; os heteus, os jebuseus e os amorreus habitam nas montanhas; e os cananeus habitam junto do mar, e ao longo do rio Jordão. Então Calebe, fazendo calar o povo perante Moisés, disse: Subamos animosamente, e apoderemo-nos dela; porque bem poderemos prevalecer contra ela. Disseram, porém, os homens que subiram com ele: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nos.”

Como podemos ver na Palavra, ao voltarem de espiar a Terra Prometida, dos doze homens que lá foram espiar somente dois (Josué e Calebe) tiveram uma palavra de ânimo e encorajador, baseado nas promessas de Deus. As dificuldades teriam! O Senhor não disse que seria fácil, mas disse que eles venceriam.
Contudo os demais espias vieram com uma palavra de derrotados, vencidos e que não podiam avançar para aquela terra. Você já pensou nas dificuldades que você vai enfrentar na vida e que se a cada uma delas você desistir, o que você vai conseguir? Nada! Muitas pessoas não tomam uma atitude correta perante os problemas que surgem e as conversas paralelas que minam o corpo de Cristo se não for reparado tão logo.


CONCLUSÃO:

ANALISE AS PESSOAS PELOS SEUS ATOS, COMO ELAS PROCEDEM PERANTE AS DIFICULDADES E QUESTÕES A RESOLVER. DESSA FORMA VOCÊ TERÁ UMA NOÇÃO EXATA DE QUAL A ATITUDE UMA DETERMINADA PESSOA TERIA DIANTE DE UMA ADVERSIDADE, NÃO SE DEIXANDO LEVAR PELO O QUE FALAM, MAS SIM PELO O QUE VOCÊ É, FAZ, COM SUAS ATITUDES NO DIA-A-DIA.

ISSO, SIM, DIRÁ QUEM VOCÊ REALMENTE É....AS ATITUDES, FALAM MUITO MAIS ALTO DO QUE AS PRÓPRIAS PALAVRAS...FALAM POR SI MESMAS!

Que a Paz seja convosco...amém!

"L E P R A "


Mateus 8.3 - E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra.
No verso acima vemos o Senhor Jesus operando um lindo milagre na vida de um leproso. No versículo de número 2 vemos o encontro do leproso com o Senhor Jesus.

"E eis que veio um leproso e o adorava, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo." ves. 2

Ele se achega diante do Senhor e com humildade adora a Jesus. Neste momento, o leproso, reconhece que Jesus tem todo o poder e que pode curá-lo.

Meu irmão, você sabe o que significa ser um leproso??? A lepra é uma doença contagiosa e que, aos poucos, vai corroendo a carne humana, se tornando em feridas por todo o corpo. A pessoa que tinha lepra era uma pessoa rejeitada, esquecida, isolada... justamente para não transmitir a doença. Por mais status que ela poderia ter... mesmo assim, deveria ser retirada do meio do povo, se tornava uma espécie de ameaça às outras pessoas... Meu irmão, imagina a situação, deste homem??? Não sabemos ao certo, se ele tinha família para cuidar, quem sabe filhos pequenos??? Ou qual era a posição social que ele ocupava... Só sabemos que era um leproso... ele perde a sua própria identidade... e se torna "o leproso!"...

Meu amado, você deve estar se perguntando: "Por quê estamos falando sobre lepra???" É aqui onde quero chegar!

Muitas pessoas acham que podem viver uma vida de uma forma que le convém, dizendo que amam a Deus....mas não tem nenhum relacionamento com Ele.....vejam só:

"Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele." João 14.21

Reflita acima e veja: todos amam a Deus?....quem afirma acima não sou eu mas a Palavra de Deus.....e essa falta de "relacionamento com Deus" é comparado como uma lepra. Dai, da falta de relacionamento com Deus, se gera o pecado, que também pode ser considerado como a lepra... que chega em nossas vidas... nos contagia, e aos poucos, causa feridas em nossa alma, família, vida, filhos etc... o pecado tem o poder de nos afastar de tudo e de todos... por meio do pecado muitas famílias são destruídas, por meio do pecado pessoas perdem seus empregos, pessoas perdem suas próprias identidades... e se tornam "o traidor", "o covarde", "o inimigo", "o bêbado", "o drogado", "o adúltero", "o ... ", "o ..."... o pecado tem o poder de afastar o homem, da presença do seu criador: o Senhor Deus todo poderoso...

Quem sabe, meu amigo, você se encontra como um leproso??? Uma pessoa que já não tem mais expectativas nenhuma em sua vida ou sem ter um norte, de fato, a seguir??? Todos estão te excluindo... por algo que você vez??? Não querem mais a sua companhia... justo você, que era um homem, uma mulher bem sucedido (a) e acabou perdendo tudo na vida???...

Meus amigos, apresento a solução pra você! Sim... O mesmo Jesus Cristo, que disse ao leproso: "Quero te curar!" - "Seja curado!"... está dizendo pra você neste dia... Filho, você quer ser curado??? Eu quero te curar!... Filho, você quer ser salvo dos seus pecados??? Eu posso te salvar e perdoar todos os teus pecados... Sim meu irmão, diga sim ao Senhor Jesus Cristo... Jesus quer e pode te salvar... Você era um fracassado, perdedor??? Hoje eu te convido para fazer parte do grupo dos Mais que Vencedores por Cristo!(Romanos 8.37)... Quer uma vida nova??? A decisão é sua!

Reflita nesta palavra... Deus deu a cada um de nós o livre arbítrio....não depende Dele, mas de você....Jesus te ama!

A OBRA É DO SENHOR




A OBRA É DO SENHOR

Versículo:

"Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;

para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra." II Tm 3.16 e 17

Olá amado(a).....como vai? Antes de começarmos a fazer qualquer evolução, queria fazer algumas perguntas para voce para analisar a si mesmo:

1 - Qual tem sido o seu modelo de perfeição?

2 - Como voce pode caracterizar uma "perfeição"?

3 - Quando as coisas não acontecem como vc quer é sinônimo de imperfeição?

Bom...fiz essas perguntas pelo seguinte motivo: QUEM VC ACHA QUE REALMENTE NOS CAPACITA E/OU REALIZA COM QUE TUDO FIQUE PERFEITO? Claro...muitos já tem a resposta na ponte da língua: Jesus Cristo!!! Mas todos tem AÇÕES que condizem com suas respostas?

As pessoas buscam a perfeição, mas essa busca acaba sendo de sua maneira, de uma forma que se algo sair do controle, nem que seja um pouco, ficam de uma forma que parece que não conhecemos e esquecem que o DONO DA OBRA é o Senhor. E em todos os momentos temos que estar cientes disso, que a honra e a glória é pra Ele e não para nós:

"Se alguém fala, fale como entregando oráculos de Deus; se alguém ministra, ministre segundo a força que Deus concede; para que em tudo Deus seja glorificado por meio de Jesus Cristo, a quem pertencem a glória e o domínio para todo o sempre. Amém." I Pe 4.13

Todos estão sujeitos ao Senhor, principalmente aquele que declara, permite que o Senhor venha controlar sua vida....mas existem pessoas esquecem disso em alguns momentos. E dessa forma, tendo essa atitude fica até difícil que a pessoa seja "canal de benção" para outras pessoas....e ainda tem a ousadia de falar: "- Usa-me, Senhor!"....só a misericórdia mesmo para tais!!! Ela não deixa o Senhor agir porque tudo tem que sair ao seu modo, e não ao modo do Senhor...

Isso muito me entristece pois vejo acontecimentos dessa natureza em várias camadas da igreja...Em Hebreus 7.11 podemos observar que o sacerdócio de Cristo era necessário, visto que o sacerdócio levítico era incapaz de produzir uma verdadeira maturidade espiritual, pois só poderiam ser sacerdotes descendentes de Arão....contudo Jesus deu a chance para que todos pudessem se chegar a Ele, falar, ter intimidade e que Ele pudesse agir e usar cada vida....mas temos um ponto negativo: ainda há levitas e sacerdotes que não permitem que o mover de Deus seja promovido de uma forma plena, mas que a "sua" vontade seja feita...uma pena pois a essas pessoas Deus não poderá confiar coisas maiores pois não permitem o Seu agir...e serão sempre limitadas em unção...e ai Deus fala a seguinte coisa:

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres?

Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade(injustiça, parcialidade)." Mt 7.21-23
Opaaa...toquei na ferida de alguém...e isso não é para qualquer pessoa...mas para pessoas que trabalham na obra, líderes, presidentes de grupos e até mesmo pastores que cometem injustiças, parcialidades ou saber o que tem que ser feito e assim mesmo não o faz, pois pessoas que tem atitudes acima descritas são pessoas atuantes na igreja...mas ainda bem que o Senhor sonda nossos corações:

"Senhor, tu me sondas, e me conheces." Salmos 139.1

E dai podemos analisar o que de fato nos tem afastado da presença de Deus e de Seu agir...ter um reconhecimento que erramos e nos arrepender em querer colocar a vontade própria na frente e não a do Senhor:
"Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos;

vê se há em mim algum caminho perverso, e guia-me pelo caminho eterno." Salmos 139.23 e 24 busca tem que ser diária, analisando nossas falhas, as imperfeições e pedindo para que o nosso EU nunca seja maior que o Senhor, que a nossa vontade sempre esteja abaixo do Senhor, POIS A OBRA É DELE e poderá acontecer qualquer imprevisto, qualquer circunstância adversa, qualquer mover contrário para que a Sua obra não seja realizada com perfeição....mas se colocarmos o Senhor, DE FATO, no controle da situação, Ele moverá montanhas, mares e o que for necessário para que vidas sejam alcançadas pelo Seu amor e poder...

DEIXE O MOVER DE DEUS AGIR POIS A OBRA É DO SENHOR.....ALELUUUUUUUIIIIIAAAAAAA!!!!!

Artigo :Alexandre Moreira

Postado por Pr.Clodoaldo Pereira

Acesse:wwww.missaocristovive.blogspot.com

Acesse:wwww.missaocristovive.blogspot.com

ESBOÇO


O CHORO DE UMA MÃE E A ORAÇÃO DE UM FILHO


ESBOÇO-------------------------------------------------- O CHORO DE UMA MÃE E A ORAÇÃO DE UM FILHO GENESIS 21: 10-19

INTRODUÇÃO: ESTA É UMA DAS MAIS LINDAS HISTORIAS QUE A BIBLIA DESCREVE PARA NÓS SEGUIDORES DO LIVRO DOS LIVROS , UMA HISTORIA REAL ENTRE DUAS MÃES DE DOIS PATRIARCAS, OS QUAIS SÃO: ISAQUE E ISMAEL. COM ELAS APRENDEMOS QUE DEUS OPERA EM NOSSAS VIDAS AO SEU MODO E TEMPO, DE FORMA APARENTEMENTE COMPLICADA AOS NOSSO OLHOS, PARA QUE AO SEU TEMPO AS COISAS SE ESCLAREÇAM E POSSAMOS ENTENDER QUE ELE É DEUS E SENHOR , E QUER O MELHOR PARA NÓS.


1) ----------------------------------------------------------------CONFLITO ENTRE AS DUAS MÃES.

a) O CONFLITO ENTRE SARA E HAGAR, COMEÇOU DEVIDO AO ERRO COMETIDO PELA PROPRIA SARA, QUE COMEÇOU A ACHAR QUE A PROMESSA DE DEUS DE LHE DAR UM FILHO ESTAVA DEMORANDO. ELA DÁ SUA SERVA HAGAR A SEU MARIDO ABRAÃO POR MULHER, PARA QUE ASSIM ELA TIVESSE UM FLIHO.VEJA GENESIS 16:3.4.
ISSO DEMONSTRA A ANSIEDADE QUE SARA TEVE , E ASSIM ERA COMO SE ELA QUIZESSE FACILITAR AS COISAS PARA DEUS . NÃO QUEIRA PORTANTO DAR UMA AJUDAZINHA PARA DEUS, POIS ELE SABE QUAL O TEMPO DE AGIR.

b) SARA ESTAVA SOFRENDO PELA SUA PRECIPITAÇÃO, PORÉM DEUS ESTAVA TRABALHANDO PARA TRANSFORMAR TUDO EM BENÇÃO AINDA QUE POR HUMILHAÇÕES. VEJA GÊNESIS 21: 9 E viu Sara que o filho de Agar, a egípcia, o qual tinha dado a Abraão, zombava.


2---------------------------------------------------------O PEDIDO DE SARA E O PARECER DE DEUS.

a) PELO FATO DE HAGAR DESPREZAR SUA SENHORA E ISMAEL DEBOCHAR DE ISAQUE, SARA PEDE QUE ABRAÃO MANDE MÃE E FILHO IREM EMBORA
VEJA NO VS 9,10
ABRAÃO FICA PREOCUPADO, POIS AFINAL ISMAEL ERA SEU FILHO , E PAI NENHUM NORMALMENTE FARIA ISSO, HUMANAMENTE FALANDO.
MAS É AI QUE VEMOS DEUS APARENTEMENTE COMPLICAR AS COISAS . NA VERDADE ELE ESTÁ APENAS TRABALHANDO PELO NOSSO FUTURO
ENQUANTO NÓS SO VEMOS APENAS O PRESENTE.


b) DEUS TRANQUILIZA A ABRAÃO QUANTO AO PEDIDO DE SARA, MUITO EMBORA HAGAR E ISMAEL NÃO COMPREENDESSEM TAL ATITUDE.
VEJA O V 12. Porém Deus disse a Abraão: Não te pareça mal aos teus olhos acerca do moço e acerca da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaque será chamada a tua descendência.
E NO V 13 ABRAÃO ENTENDE O AGIR DE DEUS PARA ISMAEL.
Mas também do filho desta serva farei uma nação, porquanto é tua descendência.
O PROPÓSITO DE DEUS PARA ISMAEL ERA NOBRE E MUITO GRANDE; EIS AI O MOTIVO DE TÃO GRANDE PROVA. DEVEMOS ENTENDER QUE QUANTO MAIOR É O PROPOSITO DE DEUS EM NOSSAS VIDAS MAIORES SÃO AS PROVAS PARA NOSSO AMADURECIMENTO.


3)----------------------------------------------------------------- HAGAR E ISMAEL NO DESERTO


a) HAGAR E SEU FILHO ISMAEL ESTAVAM AGORA EM UMA SITUAÇÃO DELICADA EM PLENO DESERTO, SEM RUMO E SEM AMPARO. VEJA NO V 14
APÓS ALGUM TEMPO DE CAMINHADA A AGUA DO ÔDRE ACABA E O MENINO SENTE SÊDE E FRAQUEZA V 15. E consumida a água do odre, lançou o menino debaixo de uma das árvores.
NO V: 16 HAGAR SENTE O DESESPERO AO VER QUE SEU FILHO AGONIZA, E SE AFASTA PARA NÃO VE-LO MORRER. ISSO É O QUE MUITA GENTE FAZ AO VER QUE TODAS AS ESPERANÇAS SE ACABARAM , MAS O MENINO EM VEZ DE SE DESESPERAR E SE ENTREGAR À MORTE COMO HAGAR , ELE OROU AO DEUS DE SEU PAI.

b) NO V:17 VEMOS QUAL FOI A SURPRESA DE HAGAR QUANDO O ANJO DE DEUS SE APROXIMA DELA E DIZ: E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o anjo de Deus a Hagar desde os céus, e disse-lhe: Que tens, Hagar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde está.
DEUS PROVIDENCIA ÁGUA NO DESERTO PARA ISMAEL NOS VS 18,19, E AINDA REVELA PARA HAGAR, TODA RAZÃO DAQUELE SOFRIMENTO AO DIZER QUE FARIA DE ISMAEL UMA GRANDE NAÇÃO.

RESUMO: APRENDEMOS MUITO COM ESSA PALAVRA, E DIANTE DE TANTO APRENDIZADO CITO TRÊS LIÇÕES:

1- NUNCA DEVEMOS NOS PRECIPITAR DIANTE DAS PROMESSAS DE DEUS , MAS DEVEMOS ESPERAR PARA QUE NO TEMPO DELE TUDO SE CUMPRA.
2-NAS GRANDES PROVAS SE DESCOBREM OS GRANDES PROPOSITOS DE DEUS PARA NÓS.
3-DEVEMOS ENSINAR NOSSOS FILHOS A ORAR E A DEPENDER DE DEUS , POIS HÁ MOMENTOS QUE OS PAIS NADA PODEM FAZER.

DEUS VOS ABENÇOE.

PR ROBERTO J ALCANTARA

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

O mistério da nota de 20 dólares

Um e-mail no mínimo inusitado circulou pela Internet apontando coincidência, no mínimo interessante, envolvendo a nota de US$ 20. Seguindo uma série devidamente ilustrada de dobras, a nota americana revelaria cenas e nomes curiosos envolvendo a tragédia de 11 de setembro. Veja as fotos abaixo, acompanhe e faça o teste!


Dobre a nota de US$ 20 desta forma


Depois dobre assim como abaixo...

Será possível ver o Pentágono em chamas...


Agora vire!

E Veja as Torres Gêmeas ardendo...


E agora mais esta...

A mensagem termina com mais uma dobra na mesma nota e o nome de Osama aparecendo!


PREPARA-TE OS SINAIS DA VINDA DO SALVADOR JESUS CRISTO, CADA DIA SE TORNA MAIS FORTE.

O FIM DOS TEMPOS SE APROXIMA

TÓQUIO - Pequenos chips de computador que servem para rastrear pacotes ou identificar ingressos falsificados estão ficando cada vez menores. A fabricante de aparelhos eletrônicos japonesa Hitachi recentemente (2009) apresentou um chip com tamanho de apenas 0,05 milímetros por 0,5 milímetros, que mais parece um grão de areia.

Ele é tão pequeno que pode ser grudado em um pedaço de papel e não ser percebido, disse o porta-voz da companhia Masayuki Takeuchi na quinta-feira.

Tais chips conseguem armazenar dados, mas eles precisam de uma antena externa, muito maior, que os carrega com energia e recebe ou transmite as informações armazenadas.

A tecnologia já é amplamente usada para rastrear e identificar itens, tais como alimentos, ou para prevenir a falsificação de ingressos.

Apresentado ao público no começo deste mês, o novo chip é um aperfeiçoamento do Mu-chip, também da Hitachi, cujo tamanho (0,4 milímetros por 0,4 milímetros) assemelha-se a um ponto.
O novo chip, por enquanto sem nome oficial, é 60 vezes menor do que o Mu-chip, mas pode armazenar a mesma quantidade de informações que seu predecessor. O problema é que ele precisa de uma antena externa para transmitir e receber informações, acessório ausente no Mu-chip. As menores antenas têm cerca de 4 milímetros de altura - gigantes, se comparadas ao chip.

Ainda não há planos para a produção comercial do novo chip, informou Takeuchi.

Percebam que a tecnologia usada em chips para armazenamento de informações vem se aperfeiçoando em ritmo acelerado. Um chip do tamanho de um grão de areia poderá, num futuro próximo, ser indolor e não causar nenhum incômodo se for introjetado por baixo da pele das pessoas. Será um biochip.

O uso cada vez mais freqüente de biochips tem a intenção subliminar de se preparar a geração atual e a futura para receber a marca da besta como algo inofensivo e útil no futuro. Daqui para adiante, fatalmente veremos mais e mais exemplos do uso de biochips vendendo uma idéia "boa" (tecnologia, praticidade etc.), mas cuja real finalidade é a difusão gradual da idéia do uso e aceitação imediata da marca da besta durante o governo do anticristo , no período de Tribulação.

Várias áreas adotarão o uso de biochips em breve. Existe um espírito de anticristo (1 João 4) por trás da difusão gradual do uso de biochips.

A tecnologia da marca da besta, para quem ainda não sabe, já existe há pelo menos 10 anos e está sendo cada vez mais introduzida na sociedade, de modo que as pessoas a aceitem como algo normal, algo bom. Chips sob a pele já existem e são usados em seres humanos, atualmente, para armazenar dados sobre diagnósticos médicos, prevenção contra seqüestros por meio de localização GPS.

Para se ter uma idéia de como já existe uma conspiração satânica para preparar a sociedade psicologicamente para a aceitação do chip como algo bom, a novela da Rede Globo América mostrou a personagem interpretada por Déborah Secco implantando um biochip por baixo da pele para ser localizada em caso de seqüestro. Toda essa preparação psicológica está sendo introjetada na sociedade de maneira gradativa, até o surgimento do anticristo.

No governo do anticristo, os chips serão usados para controlar o que cada um compra e vende, dando ao anticristo o total controle da economia mundial. Hoje, empresas como a Applied Digital e a Pay-By-Touch já utilizam tal tecnologia. Mais do que isso: quem recebe a marca, está selado eternamente para a morte eterna, porque jurou lealdade ao anticristo.

Este é mais um sinal de que a segunda vinda de JESUS CRISTO está muito próxima.









PREPARA-TE POIS JESUS CRISTO EM BREVE VOLTARA.

VENCENDO AS BARREIRAS!



Alguns de nós somos temos problemas um tanto quanto complicados de serem superados. Problemas pessoais de comportamento, atitudes, caráter, etc. Existem pessoas que não pensam antes de falar a no final falam o que não deviam, outras que não sabem administrar seu tempo, não se fixam em emprego nenhum, outras que tem diversos relacionamentos amorosos fracassados, tendência a trapacear e tantos outros mais que se relacionarmos todos levaria muito tempo.

Mas e você? Tem algum problema que consome sua vida?

O que é essa fraqueza: mau hábito, atitude desagradável? Onde Satanás tem uma fortaleza dentro de você?

Conceituando fortaleza: uma fortificação, cidadela, com muros espessos, portões altos.

É como o diabo reivindicasse uma fraqueza como sendo sua e construísse uma trincheira em torno dela: - Você não vai tocar nessa falha – o diabo desafia o céu e você colocando-se diretamente entre a ajuda de Deus e:

a) seu temperamento explosivo;

b) sua auto-imagem frágil;

c) seu apetite insaciável;

d) sua descrença no agir de Deus.


As estações vem e vão, e este “monstro do lago” ainda espreita, lá no fundo da água, sua alma e ele não irá embora! Fortalezas: desafios velhos, difíceis, desanimadores.

Foi diante disso que Davi se viu quando olhou para Jerusalém. Uma cidade com muros altos, fortes, firmes onde os jebuseus habitavam-na. Ninguém os incomoda. Filisteus lutam contra amalequitas. Amalequitas lutam contra hebreus. Mas e os jebuseus? Eles são uma cascavel enrolada no deserto. Todos os deixam em paz!

Exceto Davi. Recém-coroado estava de olho em Jerusalém devido a sua posição central que necessitava para unificar as tribos que estavam divididas. Só gostaria de saber quantas vezes Davi olhou para aquela cidade pois cresceu em Belém, que era perto de lá. A coroa mal havia se assentado em sua cabeça quando ele pôs os olhos em seu mais novo “Golias”:

“E partiu o rei com os seus homens a Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquela terra; e falaram a Davi, dizendo: Não entrarás aqui, pois os cegos e os coxos te repelirão, querendo dizer: Não entrará Davi aqui. Mas Davi tomou a fortaleza de Sião; esta é a cidade de Davi.

Porque Davi disse naquele dia: Qualquer que ferir aos jebuseus, suba ao canal e fira aos coxos e aos cegos, a quem a alma de Davi odeia. Por isso se diz: Nem cego nem coxo entrará nesta casa.

Assim habitou Davi na fortaleza, e a chamou a cidade de Davi; e Davi foi edificando em redor, desde Milo para dentro.” 2 Samuel 5.6-9


Jerusalém atendia às qualificações de uma fortaleza: uma fortificação velha, difícil e desanimadora. Do alto das torres pequenas, os soldados jebuseus tem tempo se sobra para apontar flechas para qualquer um que queira subir nos muros. Desanimador? E ainda insultaram Davi: “Não entrarás aqui, pois os cegos e os coxos te repelirão” (5.6). Os jebuseus despejam escárnios sobre Davi assim como Satanás joga baldes de desânimo em você:

1) Você nunca superará maus hábitos;

2) Nasceu pobre; vai morrer pobre;

3) Você pensa que pode vencer seu vício? Repense...


Se você já ouviu escárnios sobre você comece a olhar para Davi. Existe um ponto on muitos passam batidos, mas eu queria atentar para três letras: “mas”. “Mas Davi tomou a fortaleza de Sião” (5.6).

Os muros eram difíceis, fortes, as vozes desanimadoras....MAS Davi conquistou! Você não adoraria que Deus escrevesse um “mas” em sua história? TODOS PRECISAMOS DE UM “MAS”! E Deus tem muitos por ai onde as fortalezas nada significam para Ele...vejamos:

“Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas;” 2 Co 10.4

Nós lutamos com revolver 38. Deus chega com metralhadoras e canhões...aleluia! DAVI NÃO DÁ OUVIDO AS VELHAS VOZES, ele os ignora, rejeitando suas palavras e ocupando-se em trabalhar, O mesmo fez Neemias quando estava, justamente, reconstruindo os muros onde alguns queria desanimá-lo, tentando mostrar que seria uma tarefa árdua e difícil, senão impossível!

O mesmo fez Jesus. Respondeu a Satanás na palavra, não dando ouvidos ao que ele dizia. Uma multidão tentou ridicularizá-lo acerca de uma garotinha quando Ele falou que a garota não estava morta mas sim dormindo e nesse momento todos riram. Contudo ele os silenciou. (Veja Mateus 9.24,25).

O que eles fizeram de incomum? Simples...ouviram “de forma seletiva”. Essa é a questão: você escolhe a voz que ouve...Porque ouvir os zombadores? Porque prestar atenção na voz deles? TENHA ATITUDE, NÃO OLHE PARA A DIFICULDADE, MAS PARA JESUS CRISTO. ELE TE MOSTRARÁ O CAMINHO CORRETO!

E Davi sabia que o muro era alto demais, contudo ele encontrou uma nova esperança num “túnel”, em um buraco no lado de fora dos muros de Jerusalém. VOÇÊ TAMBÉM PODE! Faça o que Davi fez...não dê ouvido as velhas vozes, abra bem os escolhos para novas escolhas.

E aquela pessoa que fala antes de pensar, lembra? Pois é...Deus acabou com a fortaleza de Satanás que estava em sua língua e o fez pregador do Evangelho, Pedro, o apóstolo.

E o fracassado que não se fixa em emprego nenhum e é acusado e preso? Este desempregado pode ser alguém ou grande coisa? José pôde. Sendo depois do faraó a pessoa mais importante de todo o Egito.

E a pessoa que nunca consegue ter um relacionamento firme, duradouro e firmado? Essa pessoa Jesus não descartou quando se encontrou com a mulher samaritana, se tornando a primeira missionária de Jesus (João 4.1-42). Outra prova de que “as armas de Deus são poderosas...para destruir fortalezas” (2 Co 10.4).

Pedro meteu os pés pelas mãos, José foi preso no Egito, A mulher samaritana foi casada cinco vezes, Jesus estava morto no túmulo...MAS PEDRO PREGOU, JOSÉ GOVERNOU, A MULHER SAMARITANA COMPARTILHOU, JESUS RESSUSCITOU...e você?

A SUA HISTÓRIA VOCÊ ESCREVE. SEU “MAS” O ESPERA!


Texto com base do livro "Derrubando Golias - Max Lucado"

A Necessidade dos Dons Espirituais

Vivemos dias em que a ciência tem proliferado de forma bastante acentuada. Nos últimos 200 anos o homem fez mais descobertas do que no restante de sua existência. No campo da filosofia, observamos o surgimento do positivismo, do existencialismo e de outros conceitos e linhas de pensamento que tem influenciado a sociedade e também a igreja como um todo.

No final do século XIX muitos teólogos semeavam uma crítica extremamente perniciosa à Palavra de Deus. Ensinos como a teologia da crise e a teologia da desmitologização foram, de certa forma, minando a crença de muitos na atuação de Deus. Não é raro encontrarmos cristãos adeptos da teologia cessacionista, isto é, que entendem que a manifestação dos dons espirituais cessaram com a morte do último apóstolo ou que a utilização desses dons estava circunscrita somente ao período do Novo Testamento.

Por certo alguém possa avaliar ser desnecessários intervenções sobrenaturais de Deus no cotidiano do ser humano uma vez que contamos com tantos recursos e o homem julga-se auto-suficiente. Todavia não é assim que nos ensina a Bíblia. O texto sagrado nos ensina que a auto-suficiência é um equívoco (Jr 17.5). Mostra-nos que Deus tem interesse em nos capacitar para a realização de sua obra (Lc 24.49; At 1.8). A doutrina pentecostal, ou melhor dizendo, a doutrina bíblica, nos ensina que Deus age através de nossa instrumentalidade para alcançar os pecadores (Mc 16.15-20), para edificar o povo de Deus (Ef 4.11;12); e devemos estar atentos à isso. Deus nos quer capacitar batizando no Espírito Santo e concedendo dons espirituais para serem usados em sua obra. Apesar da formação teológica do apóstolo Paulo, ele mesmo testifica de sua dependência da ação de Deus em sua vida e ministério (1 Co 2.4).



A palavra “dom” como usada no Novo Testamento deriva-se do termo grego “charisma” significando um dom, favor que por sua vez é uma palavra oriunda de outro termo grego, a saber “cháris” que significa favor, graça, ajuda graciosa, boa vontade.

Paulo demonstra a importância desses dons quando diz:

“Portanto, procurai com zelo os melhores dons [...]” 1 Co 12.31


A intenção de Paulo no contexto em que está inserido esse texto é de estimular aos cristãos a buscarem ainda os outros dons espirituais e não somente o dom de línguas ou o uso público desse dom. Parece-me que hoje a situação não mudou muito. Ainda vemos a manifestação do dom de línguas ou o dom de profecia (mesmo que seja necessário o devido discernimento da origem delas), mas deveríamos ver com mais freqüência a manifestação de outros dons espirituais.


Nesse artigo não há espaço para explicar cada um desses dons e como eles se manifestam, mas todos eles são extremamente importantes para o crescimento e a edificação da igreja em nossos dias.


Amados irmãos em Cristo, busquem a Deus como quem não pode ser rejeitado, orem pedindo essa capacitação da parte de Deus como se suas vidas dependem disso (Lc 18.1). Sejam cheios do Espírito Santo de Deus (Ef 5.18), instrumentos de Seu poder na face da terra, adornados com dons espirituais para a glória de Deus!

Roberto Carlos Cruvinel
Pastor presidente da Igreja Evangélica Assembléia de Deus – Ministério Pleroma em Diadema - SP

Diretor da Escola Teológica Pastor Virgílio dos Santos Rodrigues

Bacharel e Mestre em Teologia, escritor,conferencista, articulista com diversos Artigos publicados em periódicos evangélicos;

Contatos: fone (11) 2805-6381


Site: http://www.adpleroma.com/

prcruvinel@hotmail. com ou prcruvinel@adpleroma.com

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O pior lugar do mundo para se evangelizar


evangelicos na Corea do norte

A Coréia do norte é considerada segundo pesquisas feitas pelo ministerio missionário portas abertas como o pior país para se evangelizar.

Sob a direção do ditador Kim Jong esse país tem sido mais uma prova da dificil tarefa de se evangelizar em países comunistas.
De acordo com pesquisas realizadas no primeiro trimestre deste ano pelo portas abertas A Coréia continua sendo o pais numero um em perseguiçoes ao cristãos, seguido de Arabia Saudita e Iran. Afeganistão,Somalia e Ilhas Maldivas seguem a lista dos piores países para se evangelizar.
É interessante perceber que a China, que é considerada pela maioria dos Brasileiros como o pior pais para pregar o evangelho não aparece entre os 10 piores para evangelizar segundo o relatorio do portas abertas.
O Islamismo é a religião majoritária em 7 destes 10 piores.
A lista desses paises é elaborada por varios aspectos considerados como sinonimo de liberdade religiosa .
“Certamente não é uma surpresa que a Coréia do Norte eteja em primeiro lugar neste ranking onde os cristão sofrem as maiores perseguições” diz Carl Moeller, Presidente do portas abertas USA,”Não há outro país onde os cristãos são tão perseguidos”,completa.
Perseguiçoes aos cristãos também continuam sendo comuns na Arabia Saudita onde hoje em dia dinheiro não é problema,e Afeganistão onde o maior desafio dos cristãos é o talibã, sistema que domina o pais que vive em constante guerra com o exercito americano.
Outra surpresa nesse relatorio é a posição onde se encontra a India, que também é vista segundo nosso ponto de vista um dos piores países para se evangelizar.Nesta ultima pesquisa a India aparece apenas na posição de numero 30.Desta forma dá para termos uma ideia de como é ser cristão nesses paises.Então sure uma questão;Como será um país pior para se evangelizar do que India e China?
Segundo esse relatório existem sim países piores para se evangelizar do que estes dois tão conhecidos por nós Brasileiros. Veja os exemplos de Iran e Arabia Saudita.

Estima-se que 100milhoes de cristãos pelo mundo sofrem interrogações prisões e até morrem pela sua fé em Cristo.

Estatísticas básicas sobre religião no mundo
De cada 100 pessoas … .

19 são muçulmanos (o islamismo é a religião que cresce mais rápido) .

18 não têm religião ou são ateus .

17 são católicos .

17 são cristãos não-católicos (ortodoxos, anglicanos, protestantes, evangélicos, pentecostais) .

14 são hindus .

6 são budistas

Perseguição contra cristãos . 1 em cada 3 cristãos sofre perseguição. 1 em cada 10 pessoas é um cristão perseguido

Para ver a lista completa dos 50 piores paises para se evangelizar visite a pagina oficial do portas aberta no Brasil:

http://www.portasabertas.org.br/classificacao/
Dongxiang da China

O censo de 1982 revela existirem mais de 280.000 dongxiangues, localizados principalmente no distrito autônomo de Linxia Hui, em Gansu. Sua língua relaciona-se ao mongol, e a maioria fala também chinês. O povo dongxiang remonta sua origem ao século XIV, em uma mistura entre os povos mongol e muçulmano.
Os dongxiangues criam ovelhas e suas atividades de lazer incluem corridas de cavalo, lutas corpo a corpo e canto.

A maioria dos dongxiangues é muçulmana sunnita, e 60-70% pertencem à “velha” seita que enfatiza a adoração nos túmulos de antigos santos muçulmanos. Os demais são adeptos da “nova” seita, um grupo fundamentalista e reformista formado na virada do século em Gansu. Toda vila possui pelo menos uma mesquita, e hoje há mais de 500 mesquitas ativas na região dongxiang.


O POVO
Nome do Povo: Dongxiang
País: China
Sua língua: Dongxiang
População: 400450
Maior Religião: Islamismo
Cristãos: .05%
Escrituras disponíveis em sua Língua: Nada
Evangélicos (desse povo no país): 0 (0%)

SEU PAÍS
País: China
População : 1214221000
Religião Principal: Nenhuma > 50%
Evangélicos no País: 57130000 (5%)
Liberdade de Pregação: Parcial

Fonte: Adote um Povo



Dierma do Níger
Os diermas de Níger são descendentes do Reino de Songhai o qual ocupava anteriormente uma extensa área no Sahel África próximo ao Vale do Rio Níger. Com a queda do reino os diversos grupos se dividiram sendo o sub-brupo constituído pelos diermas o maior.

Em sua maioria os diermas são agricultores. Como as plantações são individuais trabalhadas somente pelos membros da família muitos filhos são desejáveis para ajudar na agricultura. Para ajudar na subsistência criam galinhas e gado entretanto o gado somente é abatido e consumido em cerimônias religiosas e festivais. Cada aldeia é organizada de maneira que todos os do sexo masculino possam traçar sua genealogia a partir de um único homem. Dentro da aldeia há sublinhagens cada uma encabeçada pelo homem mais velho da linhagem. Pratica-se a poligamia (em cerca de 25% das famílias) e as mulheres deixam suas aldeias para viver na de seus maridos.

O islamismo tem sido parte oficial da vida religiosa há mais de 500 anos; e outro componente é o culto à natureza. Seguem o calendário muçulmano e a lei ’sharia’ mas também há feiticeiros terapias possessão de espíritos espíritos da natureza (terra e rio) e magia. Somente os diermas urbanos e mais sofisticados praticam uma vida islâmica mais ortodoxa.


O POVO
Nome do Povo: Dierma
País: Níger
Sua língua: Dyerma
População: 1500000
Maior Religião:
Cristãos: .05%
Escrituras disponíveis em sua Língua: NT
Evangélicos (desse povo no país): 300 (.02%)

SEU PAÍS
País: Níger
População : 8313000
Religião Principal: Islamismo
Evangélicos no País: 6838 (.1%)
Número de Igrejas no País: 94
Número de Missionários no País: 264
Liberdade de Pregação: Parcial

Fonte: Adote um Povo


Decani da Índia
A maioria dos decanis muçulmanos fala dakhni uma variação do urdu. Contudo hoje a língua oficial de Andhra Pradesh é o telegu o que gerou nos muçulmanos um profundo sentimento de perda cultural visto que o urdu não pôde manter nem mesmo a condição de língua secundária. Não obstante a língua e a literatura são preservadas em alguns poucos jornais e em centros culturais. Desprovidos de riqueza e poder muitos têm se conduzido ao profundo desespero e prostração. Eles têm forte e duramente tentado manter sua cultura crenças e orgulho. Precisam de encorajamento e esperança o que só pode ser realizado através da clara compreensão do Evangelho. Os muçulmanos da classe média e que receberam educação formal têm uma perspectiva mais secular e atitudes mais modernas em relação às leis pessoais à educação muçulmana e à condição de minoria e muitas vezes precisam transpor distâncias sociais e educacionais para comunicar-se com a comunidade e os líderes religiosos muçulmanos mais conservadores. A cultura dos decanis muçulmanos difere dos costumes muçulmanos do norte da Índia porque adotam grande parte dos elementos hindus. Entre esse grupo é comum também a adoração de santos.


O POVO
Nome do Povo: Decani
País: Índia
Sua língua: Urdu
População: 10710000
Maior Religião: Islamismo
Cristãos: 0%
Escrituras disponíveis em sua Língua: NT
Evangélicos (desse povo no país): 0 (0%)

SEU PAÍS
País: Índia
População : 904800000
Religião Principal: Hinduismo
Evangélicos no País: 8307000 (1%)
Número de Igrejas no País: 97796
Número de Missionários no País: 766
Liberdade de Pregação: Parcial

Fonte: Adote um Povo


Darguin da Rússia
Os darguins vivem em Daguestão ao sudoeste da capital Makchachkala dentro da República da Rússia. Representam aproximadamente 15% da população que se encontra no Daguestão. Seus vizinhos são os kungkes ao norte os avaros e os lakes ao oeste e o Mar Cáspio ao leste. Vivem nas montanhas em pequenos grupos. Continuam dependendo de suas fontes tradicionais para sobreviverem como a criação de ovelhas de lã preta e ao garimpo refinamento e produção do ouro.

Daguestão é um dos mais fortes pilares na conservação do islamismo na União Soviética que tem sido a religião predominante desde o século passado. A despeito das autoridades soviéticas terem desencorajado e perseguido toda e qualquer religião fechando mesquitas e igrejas escolas muçulmanas e proibido publicações religiosas a influência do islamismo permanece forte e tem crescido. Suas práticas são fortemente sincréticas incluem crenças ocultistas e supersticiosas remanescentes da herança das crenças pagãs pré-islâmicas.

A história dos darguins é uma das mais violentas sendo constantemente invadidos no decorrer dos séculos primeiros pelos hunos depois pelos turcos os mongóis os persas e no século XIX pelos russos sofrendo tanto socialmente como pela opressão colonizadora.


O POVO
Nome do Povo: Darguin
País: Rússia
Sua língua: Dargwa
População: 369000
Maior Religião: Islamismo Suni
Cristãos: .01%
Escrituras disponíveis em sua Língua: Nada
Evangélicos (desse povo no país): 0 (0%)

SEU PAÍS
País: Rússia
População : 153646000
Religião Principal: Cat Ortodoxo
Evangélicos no País: 831000 (.56%)
Número de Igrejas no País: 2260
Número de Missionários no País: 473
Liberdade de Pregação: Sim

Fonte: Adote um Povo


Dai da China
Os dais consistem em vários grupos de povos distintos localizados primeiramente na China Laos Myamar e Tailândia. Na região de Dehong cultivam arroz. Nas áreas urbanas de Dehong a prostituição aberta é comum como a venda de ópio e heroína. Nas vilas de Shan a água é poluída a nível perigoso.

Nos últimos 4.000 anos eles têm sido budistas mas ainda hoje seu budismo mistura-se a muitas crenças animistas. Toda vila dai tem pelo menos um templo budista e é comum haver monges entre eles. O Partido Comunista determinou que os indivíduos menores de 18 anos não podem ser influenciados pela religião mas essa lei é menos controlada nas regiões onde prevalecem as minorias. Assim as famílias dais continuam a enviar seus filhos aos templos para serem treinados como monges budistas como é de costume há muitos séculos.


O POVO
Nome do Povo: Dai
País: China
Sua língua: Dai
População: 250000
Maior Religião: Budismo
Cristãos: .1%
Escrituras disponíveis em sua Língua: Bíblia
Evangélicos (desse povo no país): 200 (.08%)

SEU PAÍS
País: China
População : 1214221000
Religião Principal: Nenhuma > 50%
Evangélicos no País: 57130000 (5%)
Número de Igrejas no País: 0
Número de Missionários no País: 0
Liberdade de Pregação: Parcial

Fonte: Adote um Povo


Dagur da China

Vivem nas 3 províncias ao norte nas fronteiras com a República Popular da Mongólia. Não possuem seu idioma em forma escrita mas 90% deles ainda usa sua língua mas na escrita se usa o mongol e o chinês han. São agricultores e criam animais complementando sua renda mensal com a caça e a pesca. Seu vestir consiste em roupas largas principalmente de cor verde usadas com botas de couro com um cordão acetinado bordado o qual é abotoado no lado direito.

Os dagures são um grupo budista lamístico que ainda pratica um pouco de xamanismo animismo e politeísmo. Acreditam em reencarnação isto é após a morte podem voltar à terra numa outra forma de vida humana ou animal dependendo de seu comportamento nas vidas anteriores.

Cuidados com a saúde ainda é responsabilidade do curandeiro local que se arma com amuletos poções e incensos.
Um destacado motivo de oração é a necessidade da tradução da Bíblia e para isso lingüistas qualificados precisam se dispor para inclusive estabelecer a forma escrita de sua língua.
É um grupo não alcançado que vive ainda numa área fechada.


O POVO
Nome do Povo: Dagur
País: China
Sua língua: Daur
População: 121500
Maior Religião: Budismo
Cristãos: .01%
Escrituras disponíveis em sua Língua: Sem dados
Evangélicos (desse povo no país): 1000 (.82%)

SEU PAÍS
País: China
População : 1214221000
Religião Principal: Nenhuma > 50%
Evangélicos no País: 57130000 (5%)
Número de Igrejas no País: 0
Número de Missionários no País: 0
Liberdade de Pregação: Parcial

Fonte: Adote um Povo

sábado, 23 de janeiro de 2010

A Caminho do Arrebatamento




Na história de Gideão, o arrebatamento não é mencionado de forma literal, mas existem diversas indicações que apontam em direção a ele e que podem nos ajudar a explicá-lo.

Consideramos que a história de Gideão tem muito conteúdo profético e que ela nos mostra o futuro de Israel e o tempo da Grande Tribulação. Portanto, podemos usá-la para analisar a volta de Jesus para Sua Igreja. Pois as histórias de Deus com Israel e com a Igreja se entrelaçam, ou seja, se sobrepõem: quando chegou a hora do nascimento da Igreja de Jesus, no dia do Pentecoste, Deus como que deixou Israel de lado, e, desde a fundação do Estado de Israel, no dia 14 de maio de 1948, o Senhor voltou a agir com, em e através de Israel, o que nos mostra que a retirada da Igreja de Jesus da terra está próxima.

Os sinais do arrebatamento

Nos três capítulos sobre Gideão e os midianitas (Jz 6-8) fala-se repetidamente da trombeta com que o povo foi chamado a se reunir em torno de Gideão. Em todos os acontecimentos dessa batalha que viria, a trombeta foi um elemento chave, sendo citada sete vezes, pela primeira vez em Juízes 6.33-34:

– "E todos os midianitas e amalequitas, e povos do oriente se ajuntaram, e passaram, e se acamparam no vale de Jezreel. Então o Espírito do Senhor revestiu a Gideão, o qual tocou a rebate, e os abiezritas se ajuntaram após dele."

Esse é também o sentido por ocasião do arrebatamento: quando soar a trombeta, a Igreja será reunida, revestida com o Espírito Santo e arrebatada ao encontro do Senhor Jesus. Está escrito:

– "Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras" (1 Ts 4.16-18).

– "Eis que vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar dolhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados" (1 Co 15.51-52).

A respeito desse encontro com o Senhor, Ele disse: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou estejais vós também" (Jo 14.1-3). No arrebatamento acontecerá, portanto, a reunião em torno do Senhor, e um sinal ou elemento deflagrador será o som da trombeta: "Porquanto o Senhor mesmo... ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus..."

O que acontecerá com os crentes por ocasião do arrebatamento?

Então se dará um grande milagre: seremos libertados da nossa carne, ou seja, do nosso corpo terreno. A respeito, leiamos mais uma vez 1 Coríntios 15.52-53, onde essa transformação é descrita da seguinte maneira: "...num momento, num abrir e fechar dolhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade." Somente então, depois do arrebatamento, estaremos – através da transformação – livres do pecado. Então não será mais possível pecar, mas em nós resplandecerá exclusivamente a clara luz da obra de Jesus Cristo e todos nos amaremos uns aos outros. Não será maravilhoso estar finalmente liberto da carne pecaminosa? Pois, quantas vezes já choramos por causa do pecado que em nós habita; quanto trabalho já nos deu nossa carne pecaminosa, a nós que queremos andar no Espírito. Também Paulo chorou por isso e testemunha em Romanos 7.18a: "Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum..." Ele continua escrevendo: "Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros" (vv. 22-23). Enquanto vivermos, o espírito e a carne estarão em constante confronto. Por isso, é tão importante ficar cheio do Espírito (Ef 5.18b), andar no Espírito e deixar que o Espírito nos governe.

Nossa carne é receptiva para o pecado, e também para a enfermidade e a morte. Isso acabará no momento do arrebatamento, quando formos transformados e recebermos um corpo espiritual, quando o mortal se revestir da imortalidade. E essa transformação por ocasião do arrebatamento, ao soar da trombeta, nos é mostrado alegoricamente no caso de Gideão. Lemos em Juízes 7.16,19-20: "Então repartiu os trezentos homens em três companhias, e deu-lhes a cada um nas suas mãos trombetas, e cântaros vazios, com tochas neles... Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que com ele iam, às imediações do arraial, ao princípio da vigília média, havendo-se havia pouco trocado as guardas; e tocaram as trombetas, e quebraram os cântaros, que traziam nas mãos. Assim tocaram as três companhias as trombetas e despedaçaram os cântaros; e seguravam nas mãos esquerdas as tochas e nas mãos direitas as trombetas que tocavam; e exclamaram: Espada pelo Senhor e por Gideão!"

O que aconteceu ali? Os homens mantinham a luz das tochas escondidas dentro dos cântaros. Mas, exatamente no momento em que começaram a ser tocadas as trombetas, os cântaros foram quebrados e a clara luz das tochas iluminou tudo. Isso é uma alegoria da transformação por ocasião do arrebatamento. A clara luz de Cristo normalmente ainda está escondida em nosso corpo, pois somos como cântaros (vasos) que carregam em seu interior a clara luz do Evangelho. O Senhor Jesus é a luz do mundo, e disse àqueles que O aceitaram: "Vós sois a luz do mundo" (Mt 5.14a). Por enquanto essa luz ainda é escondida, como dissemos, em maior ou menor grau, pelo vaso da nossa carne. Mas, no momento em que a trombeta de Deus for tocada para o arrebatamento, nosso corpo será transformado (como os cântaros que foram quebrados naquele tempo), e seremos arrebatados ao encontro do Senhor Jesus, para estarmos com Ele para sempre. Então, tudo será somente luz. Tudo resplandecerá em Sua glória. Não haverá mais pecado, porque o vaso da nossa carne não estará mais presente. Em 1 Coríntios 15.50 está escrito que "carne e sangue não podem herdar o reino de Deus". Por isso, seremos transformados, pois o cântaro do nosso corpo tem que ser quebrado. Somente por ocasião da transformação e do arrebatamento se tornará visível o que a Bíblia diz em Mateus 13.43a: "Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai."

Assim, podemos imaginar quão ansiosamente os crentes da Bíblia esperavam deixar a carne para estar para sempre com o Senhor. Paulo, por exemplo, expressou da seguinte maneira esse seu anseio: "Ora, de um e outro lado estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Mas, por vossa causa, é mais necessário permanecer na carne" (Fp 1.23-24).

Quando acontecerá o arrebatamento?

Antes do juízo, isto é, antes da Grande Tribulação. Poderíamos fazer um estudo bíblico especificamente sobre o assunto, mas vamos nos limitar a alguns versículos. Lemos em 1 Tessalonicenses 1.10: "...e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura." De que ira se trata aqui? Da ira de Deus que começará com a Grande Tribulação, pois ela será o juízo de Deus sobre o mundo de incredulidade e maldade. É o que lemos em Apocalipse 6.15-17: "Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos, e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes, e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono, e da ira do Cordeiro, porque chegou o grande dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?" A Igreja de Jesus será preservada dessa ira do Senhor, que terá seu início no tempo da Grande Tribulação. Pois, como filhos de Deus, já estivemos sob a ira de Deus e Seu juízo: isso aconteceu na cruz do Calvário, onde o Senhor Jesus tomou vicariamente sobre si nosso juízo e a ira de Deus. Por isso, todo homem que pertence a Jesus está justificado diante de Deus e não passará pela Grande Tribulação, nem pelo Juízo Final. Está dito em 1 Tessalonicenses 5.9-10: "...porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos em união com ele."

Que o arrebatamento ocorrerá antes da Grande Tribulação também é mostrado, segundo o meu entendimento, na história de Gideão. Lemos em Juízes 7.19-20: "Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que com ele iam, às imediações do arraial, ao princípio da vigília média, havendo-se havia pouco trocado as guardas; e tocaram as trombetas, e quebraram os cântaros, que traziam nas mãos. Assim tocaram as três companhias as trombetas e despedaçaram os cântaros; e seguravam nas mãos esquerdas as tochas e nas mãos direitas as trombetas que tocavam; e exclamaram: Espada pelo Senhor e por Gideão!" A respeito, façamos duas perguntas:

1. Quando foram tocadas as trombetas e quebrados os cântaros (uma figura da transformação e do arrebatamento)?

A resposta é: "...ao princípio da vigília média..." Esse é o tempo em torno da meia-noite. Em Mateus 25.6 está escrito: "Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! saí ao seu encontro." Sabemos que, em nossos dias, nos aproximamos dessa hora da meia-noite. Os sinais dos tempos e Israel apontam para isso claramente. Trata-se também do tempo em que o mundo das nações está colocando "guardas" contra Israel, como os midianitas o fizeram naquela época (Jz 7.19). Isso levará, no final das contas, à batalha dos povos em Armagedom.

Atualmente, Israel está perdendo cada vez mais sustentação. A conquista de Jerusalém e a destruição de Israel continua fazendo parte do plano dos inimigos do povo de Deus. Mas antes do começo desse último período anticristão será ouvida a trombeta de Deus e a Igreja de Jesus será arrebatada. Com relação ao "homem da iniqüidade" (2 Ts 2.3), Dave Hunt escreve:

Neste exato momento, é quase certo que o anticristo já esteja vivendo em algum lugar do planeta Terra – aguardando seu tempo, esperando sua deixa. Sensacionalismo banal? Longe disso! Essa suposição é baseada em uma sóbria avaliação dos eventos atuais relacionados com a profecia bíblica. Como homem maduro, provavelmente ele já seja ativo na política, sendo possivelmente até mesmo um admirado líder mundial cujo nome está diariamente na boca de todos.

Ou pensemos, por exemplo, em relatos que advertem a respeito de cometas ou meteoros que poderiam atingir a Terra. Quando os últimos fragmentos do cometa "Shoemaker Levy 9" caíram sobre o gigantesco planeta Júpiter em julho de 1994 e deixaram marcas de destruição, o fato foi logo esquecido. Mas, praticamente não houve pausa para descanso. Pouco depois lia-se nos jornais:

Em agosto, o astrônomo amador Donald E. Machholz descobriu um novo cometa fragmentado em cinco partes... que poderiam se chocar contra a Terra, pois sua órbita cruza a do nosso planeta. Se algum fragmento do cometa caísse sobre a Terra, poderia ter conseqüências fatais...

O que quer que aconteça, devemos lembrar que o Senhor Jesus falou de estrelas que cairiam e de outros sinais que indicariam a iminência da Sua volta: "...as estrelas cairão do firmamento e os poderes dos céus serão abalados. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu com poder e muita glória" (Mt 24.29-30).

2. Quando entrou em ação a espada do Senhor (Jz 7.20)?

Somente depois de tocadas as trombetas e quebrados os cântaros (uma figura do arrebatamento), quando a clara luz das tochas iluminou o acampamento dos inimigos, os israelitas gritaram: "Espada pelo Senhor e por Gideão!" A "espada pelo Senhor", porém, aponta profeticamente para o "dia do Senhor", ou seja, para o tempo da Grande Tribulação, na qual o Senhor vai julgar o mundo porque então todas as nações terão se ajuntado contra Seu amado povo Israel. Lemos a respeito em Jeremias 25.29b: "...porque eu chamo a espada sobre todos os moradores da terra, diz o Senhor dos Exércitos." E, como os midianitas fugiram apavorados e em pânico diante da "espada pelo Senhor e por Gideão" e começaram a se matar reciprocamente (comp. Jz 7.21-22), também durante a Grande Tribulação as pessoas tentarão escapar do juízo da ira de Deus (Ap 6.15-17). Antes, porém, a Igreja de Jesus será arrebatada e transformada.

O caminho para o arrebatamento

Ficar cheio do Espírito Santo

Desse caminho que leva ao arrebatamento faz parte o ficarmos cheios do Espírito Santo, pois seremos arrebatados pelo poder do Espírito. Isso também é mostrado figuradamente na história de Gideão, como lemos em Juízes 6.34: "Então o Espírito do Senhor revestiu a Gideão, o qual tocou a rebate, e os abiezritas se ajuntaram após dele."

Essa é uma maravilhosa definição do arrebatamento, pois então a Igreja será como que revestida pelo Espírito Santo, envolta por Ele e levada ao céu. Não é em vão que está escrito em Efésios 4.30: "E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção." A que redenção isso se refere – pois os filhos de Deus já são redimidos? Aqui se trata da redenção da nossa carne, através da transformação por ocasião do arrebatamento! Para isso fomos selados com o Espírito Santo, com o qual seremos revestidos, ou seja, que nos envolverá quando formos tirados da terra. Por termos essa esperança do arrebatamento, deveríamos prestar muita atenção para não entristecer o Espírito Santo através de um modo de viver carnal, razão por que está escrito no versículo seguinte: "Longe de vós toda a amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda a malícia" (Ef 4.31). É preciso honrar o Senhor através do andar em Espírito: "Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou" (v. 32).

Lançar fora toda carga desnecessária

A caminho do arrebatamento, é importante que lancemos fora e deixemos para trás toda carga desnecessária. Vemos isso no então ainda grande exército de Israel, antes de mais uma seleção, do tocar das trombetas e do quebrar do cântaros. A ordem do Senhor a Gideão foi: "Apregoa, pois, aos ouvidos do povo, dizendo: Quem for tímido e medroso, volte, e retire-se da região montanhosa de Gileade. Então voltaram do povo vinte e dois mil, e dez mil ficaram" (Jz 7.3). A Edição Revista e Corrigida diz: "...quem for cobarde e medroso..."

Dentre as coisas que devemos lançar fora a caminho do arrebatamento estão, necessariamente, a timidez (covardia) e o medo. Pois muitos cristãos têm literalmente medo do arrebatamento porque acham que não poderão subsistir diante do Senhor. Eles têm medo daquilo que os espera; por exemplo, o julgamento do galardão. Muitos ficam tão desanimados, que não gostariam de ouvir nada mais sobre a volta de Jesus. Isso, entretanto, não está de acordo com o que o Senhor quer e com o que a Bíblia ensina. Pois, justamente com relação ao arrebatamento está dito que ele deve servir como consolo: "Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras" (1 Ts 4.18).

Por isso é tão importante que lancemos fora a covardia e o medo da volta de Jesus para o arrebatamento, para podermos ir ao Seu encontro com liberdade e alegria! Em 1 João 4.17-18 está escrito: "Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que no dia do juízo mantenhamos confiança; pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo. No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor." Àqueles que esperam pelo arrebatamento com alegria e amam a volta do Senhor é prometida uma coroa especial (2 Tm 4.8). Se, entretanto, somos dominados pelo medo, nem podemos amar a vinda do Senhor, pois o medo pensa no castigo.

Diga-me, você também sente medo? Então, pela fé, lance fora agora o medo – e confie no Senhor, crendo que Ele alcançará Seu alvo para com você, apesar da sua fraqueza. Não se preocupe só consigo mesmo e com todas as suas deficiências, mas olhe para o Autor e Consumador da sua fé! A respeito dEle está escrito: "Ora, aquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação..." (Jd 24). Conforme Efésios 5.27, Ele também apresentará você "sem mácula, nem ruga nem cousa semelhante, porém santo e sem defeito" diante dEle. Devemos recordar também o que diz Hebreus 10.19: "Tendo, pois, irmãos, intrepidez (a Ed. Rev. e Corrigida diz: "ousadia") para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus." Isso vale não somente para a oração que é ouvida no presente, mas também para o arrebatamento, permitindo que possamos entrar na santa e gloriosa presença de Deus com alegria. Não através de nossos próprios esforços, mas por meio do precioso sangue do Senhor e do Seu perdão encontramos ousadia para entrar no Santo dos Santos. Por isso, deixe o medo para trás! Aproprie-se na fé da promessa de 1 Pedro 1.5!

Manter-se próximo à água

A caminho do arrebatamento, temos que nos manter próximos à água, ou seja, da "lavagem de água pela palavra" (Ef 5.26). No tempo de Gideão, o que restou do exército foi provado por Deus junto à água. A ordem do Senhor a Gideão foi: "Ainda há povo demais; faze-os descer às águas, e ali tos provarei; aquele de quem eu te disser: Este irá contigo, esse contigo irá; porém todo aquele, de quem eu te disser: Este não irá contigo, esse não irá" (Jz 7.4).

A nós, da Nova Aliança, a Bíblia diz em Efésios 5.26 que fomos purificados "por meio da lavagem de água pela palavra." Se realmente quisermos nos deixar preparar para o ressoar da trombeta por ocasião do arrebatamento, é importante ter muita comunhão com Jesus Cristo, ouvindo a Palavra de Deus em cultos, reuniões nos lares e encontros de oração, mas também lendo muito a Bíblia e obedecendo ao que ela nos diz. Isso produzirá purificação mais profunda em nosso interior, santificação e preparação, mesmo que nada sintamos a respeito. Acontece então o mesmo que com uma mãe na cozinha segurando um escorredor de massas com batatas, debaixo da torneira, deixando a água correr sobre elas. Sua filhinha lhe pergunta: "Mãe, o que você está fazendo? A água está indo toda embora". "Venha cá e olhe. Se bem que a água tenha ido toda embora, as batatas ficaram limpas." O mesmo se dá conosco: quando ouvimos ou lemos a Palavra de Deus, não conseguimos lembrar tudo. Há mesmo épocas em que ela parece não nos dizer nada. Entretanto, há sempre um efeito purificador, pois trata-se da "lavagem de água pela palavra". Por isso está escrito: "Habite ricamente em vós a palavra de Cristo..." (Cl 3.16). Palavras humanas passam, mas a Palavra de Deus permanece! Lembremos, portanto, o que a Bíblia nos diz em 1 Pedro 1.23-25: "...pois fostes regenerados, não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos foi evangelizada." No arrebatamento, deixaremos para trás tudo que é do presente, mas levaremos a Palavra de Deus junto para a Eternidade! E porque a Palavra de Deus é tão importante com relação à nossa preparação para a retirada da Igreja, o apóstolo Paulo diz em suas palavras introdutórias sobre o arrebatamento: "Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem" (1 Ts 4.15). Por isso, ocupe-se o máximo possível com a Palavra de Deus, que não deixa de fazer efeito.

Viver com o objetivo em mente

A caminho do arrebatamento, é preciso viver voltado completamente para o Senhor, Seu objetivo e Sua volta. É o que nos mostra a última prova a que foram submetidos os homens de Gideão. Lemos em Juízes 7.5-6: "Fez Gideão descer os homens às águas. Então o Senhor lhe disse: Todo que lamber as águas com a língua, como faz o cão, esse porás à parte; como também a todo aquele que se abaixar de joelhos a beber. Foi o número dos que lamberam, levando a mão à boca, trezentos homens; e todo o restante do povo se abaixou de joelhos a beber as águas." Esses trezentos homens estavam tão determinados a alcançar o objetivo, a executar o encargo dado pelo Senhor, que não se demoraram em se abaixar de joelhos para beber, mas ajuntaram rapidamente a água com a mão levando-a à boca. Aí imaginamos o que Pedro quis dizer ao falar sobre o dia da volta de Jesus, advertindo a Igreja: "...esperando e apressando a vinda do dia de Deus" (2 Pe 3.12a). Temos tal inclinação interior diante do Senhor Jesus e da Sua volta? É Sua vontade expressa que vivamos voltados para o objetivo, pois Ele disse em Lucas 12.35-36: "Cingidos estejam os vossos corpos e acesas as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram."

Mas como facilmente ficamos ocupados com coisas terrenas e nos deixamos deter por elas! Será que são os alvos pessoais, a conta bancária, a indiferença ou um pecado de estimação, diante dos quais você se inclina repetidamente e que roubam a sua disposição interior de entrega completa ao Senhor? Nos dias de Gideão também havia muitos que tinham seus olhos voltados temerosamente para as coisas do seu tempo, ao invés de olharem para o Senhor e Sua tarefa. Muitos deles se ajoelharam prazerosamente junto à água para descansar. É assustador que – apesar de todos os 10.000 pretenderem ir junto – no final das contas eles não o puderam, porque tinham dobrado seus joelhos diante das coisas do presente. No seu caso, esse foi o sinal exterior de que eles não estavam preparados interiormente. Nós também gostamos de fazer pausas espirituais, de interromper as atividades, e muitas vezes buscamos todas as coisas possíveis, exceto o Senhor exclusivamente. Como, entretanto, o Senhor conhece nossa estrutura, Ele continuamente nos exorta: "Portanto não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? ou: Com que nos vestiremos? porque os gentios é que procuram todas estas cousas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas cousas vos serão acrescentadas" (Mt 6.31-33).

Se, ao final, observarmos mais uma vez o comportamento daqueles 300 homens que beberam rapidamente a água necessária junto ao rio para não perderem nenhum tempo na realização da tarefa do Senhor, quão importante se torna, nessa linha de pensamento, o que diz 1 Coríntios 9.25a: "E todo aquele que luta de tudo se abstém" (Ed. Rev. e Corrigida). Esses 300 homens não eram mais inteligentes nem melhores, nem mais fortes ou corajosos do que os outros – mas estavam no seu interior completamente livres e dispostos a servir ao Senhor. Com ardente zelo, eles tinham em mente exclusivamente o objetivo de Deus. Eles não tinham mais nenhuma espécie de outros alvos, mas seu coração era voltado inteiramente para a causa de Deus.

Você está disposto a lançar fora e deixar de lado tudo aquilo que o atrapalha no caminho ao encontro do Senhor? Tendo em vista a breve e repentina retirada da Igreja de Jesus, você realmente está disposto a tomar essa decisão, como Gideão e seus homens o fizeram? Lemos em Juízes 7.8a: "Tomou o povo provisões nas mãos, e as trombetas. Gideão enviou todos os homens de Israel cada um à sua tenda, porém os trezentos homens reteve consigo." A caminho do arrebatamento, leve somente as "provisões", a Palavra de Deus, e a "trombeta", a prontidão para o arrebatamento; leve em conta que a trombeta será tocada em breve.

Se o Senhor perguntasse a você neste momento: "Você quer fazer parte dos covardes e medrosos?", você certamente responderia com um definitivo "Não!" Então, aja de acordo e lance fora o medo em nome de Jesus! E, se Ele continuasse perguntando a você: "Olhe, sobraram 10.000: você quer pertencer àqueles que se ocupam em primeiro lugar com as coisas terrenas, ou prefere estar entre os 300 que levaram consigo somente as "provisões" necessárias e a "trombeta"?" – qual seria a sua resposta? Oh! que você responda agora com coração sincero: "Senhor, também quero fazer parte desses 300. Quero estar preparado para quando vieres!" Amém.

Extraído do livro Gideão - Uma Mensagem de Alerta.

"Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo. Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. As néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas. E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram. Mas, à meia-noite ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. E as néscias disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando. Mas as prudentes responderam: Não, para que nãos nos falte a nós e a vós outras! Ide, antes, aos que o vendem e comprai-o. E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço" (Mateus 25.1-13).


Três Épocas da História da Igreja

Primeira época: a era dos apóstolos e os tempos pós-apostólicos (de Pentecostes até o início do século 3 d. C.)

Esse foi o tempo do primeiro amor, caracterizado por uma espera diária e viva pela volta de Jesus Cristo, que o Senhor descreve da seguinte maneira: "Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo" (Mt 25.1).

Na época dos apóstolos e nos primórdios da Igreja, a Palavra ainda era tão viva e eficaz entre os crentes, que eles esperavam constante e intensamente pelo Senhor e por Sua volta. Era costume na época, por exemplo, cumprimentar-se com a saudação "Maranata", que significa "Vem, nosso Senhor!"

Havia nesse tempo um movimento evangelístico, orientado pelo Senhor, indo em Sua direção como que com tochas acesas e brilhantes. Em quase todas as suas cartas, os apóstolos escreviam sobre a esperança viva da volta de Jesus, apresentando-a às igrejas como sendo possível a qualquer momento. Paulo, por exemplo, alegrou-se com a igreja de Tessalônica e confirmou para os cristãos dali: "pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura" (1 Ts 1.9-10). E a Timóteo ele fez saber: "já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda" (2 Tm 4.8).

Os quase 270 capítulos do Novo Testamento mencionam aproximadamente 300 vezes a volta do Senhor Jesus. Um comentário bíblico diz o seguinte:

Só alcançaremos o nível espiritual e a vida santificada que o Novo Testamento ensina, quando a espera pelo Senhor receber tanto espaço em nossos corações como o tinha nas igrejas dos tempos apostólicos. O Dr. Kaftan disse: "O maravilhoso poder da Igreja primitiva residia única e exclusivamente em sua esperança viva pela volta visível e pessoal de Cristo".

Uma afirmação de Pedro, que se ajusta muito bem à parábola das dez virgens, mostra quanto o tempo dos apóstolos ainda era impregnado pela expectativa da volta de Jesus: "Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração" (2 Pe 1.19). De que modo as dez virgens foram ao encontro do Senhor? Com suas candeias acesas. Isso simboliza a palavra profética, que deve ser colocada no velador. A exortação do Senhor Jesus é: "Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram" (Lc 12.35-37). De fato, a era da igreja primitiva era fortemente caracterizada pela espera pelo Senhor, como Jesus disse na parábola: "Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram e encontrar-se com o noivo".

Segunda época: Perda do primeiro amor e sono espiritual

Rapidamente o primeiro amor ao Senhor Jesus e à Sua Palavra foi se extinguindo. Assim, houve um bloqueio na espera por Sua volta, que adormeceu. Esse período é descrito em Mateus 25.5: "E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram".

Já nas cartas às igrejas transcritas no Apocalipse, o Senhor teve de dizer: "Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas" (Ap 2.4-5).

Logo após a morte dos apóstolos, a luz em relação à volta de Jesus começou a se extinguir nas igrejas. Certamente ainda havia muita atividade, mas a espera ardente, o primeiro amor de uma noiva por seu noivo, começou a diminuir. A espera adormeceu.

As virgens prudentes tinham suas lâmpadas bem acesas e brilhantes – elas serviam para iluminar a chegada do noivo. Elas fizeram aquilo que Jesus havia exigido: deixaram suas luzes brilhar e esperavam por Ele. Elas firmaram-se na palavra profética e deram-lhe atenção "como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração".

Nesse contexto, creio que o Senhor estava tentando dizer à igreja de Éfeso aproximadamente o seguinte: "Você não é mais como uma virgem ou uma noiva, que vai ao encontro de seu noivo com a lâmpada acesa. Você abandonou o primeiro amor, mesmo possuindo a palavra profética. Mas de que ela serve, se você não a utiliza para iluminar seus passos para vir ao meu encontro? Por isso, arrependa-se, pois se você não o fizer, eu virei e tomarei de você o candelabro da palavra profética." E foi justamente isso que aconteceu: a luz da palavra profética quase perdeu-se completamente nos séculos subseqüentes.

"E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram." Na história da Igreja, as coisas desenrolaram-se exatamente como está descrito aqui de maneira figurada. O Senhor Jesus tardou em vir. Ele demorou para voltar. E aí o cristianismo foi tomado de sono espiritual, que fez adormecer todas as esperanças pela volta do Senhor. Os cristãos deixaram de vigiar, exatamente o que deveriam ter feito seguindo as repetidas e claras ordens de Jesus. E por saber dessa situação, Ele exortou Sua Igreja:

• "Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias" (Lc 12.35).

• "Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram" (v. 36).

• "Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã; para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo" (Mc 13.35-36).

Com o desaparecimento da espera pela volta de Jesus, foi minguando também o conhecimento sobre o assunto. É assustador observar que aproximadamente a partir do ano 300 d. C. não se acham mais menções da volta de Jesus na literatura cristã da época. Praticamente nenhum hino daquele tempo e nenhum comentário bíblico, do ano 300 d. C. até o século 18, fala da espera pela volta de Jesus para buscar Sua Igreja, para arrebatar Sua noiva. Mesmo nos tempos da Reforma existem poucos registros de referências ao arrebatamento da Igreja. O retorno à Palavra de Deus nesse tempo foi maravilhoso e havia a crença na volta de Jesus, mas apenas para o fim dos dias, no dia do Juízo Final. Todo o restante a respeito da volta do Senhor desapareceu do cristianismo. A espera pela volta de Jesus foi como que encoberta, soterrada.

Gerhard Herbst escreveu:

Nas igrejas e denominações, inclusive na hinologia, a diferença entre o arrebatamento e a volta de Jesus praticamente inexiste ou é desconsiderada. Quando se chega a falar sobre a volta de Jesus, pensa-se sempre na volta visível do Senhor sobre o monte das Oliveiras. Mas essa é a esperança de Israel e não da Igreja de Jesus... O arrebatamento da Igreja de Jesus é o próximo acontecimento para a Igreja, o próximo evento pelo qual ela deve esperar. E essa volta não está condicionada a sinais prévios.

Terceira época: Despertamento espiritual

Essa última fase tem mais ou menos 150 a 200 anos. Ela coincide praticamente com a volta dos primeiros imigrantes judeus para sua pátria. Por quê?

Essa terceira época situa-se no final do tempo da graça e é o chamado "tempo do fim". Na parábola das dez virgens esse período é descrito da seguinte maneira: "Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam suas lâmpadas" (Mt 25.6-7).

A partir do início do século 19 (e mesmo um pouco antes) o cristianismo vivenciou uma forte ação do Espírito Santo. Surgiram movimentos avivalistas, sociedades missionárias floresceram. Novos hinos foram compostos, e a volta de Jesus para o arrebatamento da Sua Igreja passou a ser novamente proclamada. Um dos pregadores dessa época foi o inglês John Nelson Darby (1800 – 1882), fundador das Igrejas dos Irmãos. A luz voltou a brilhar e resplandeceu claramente, ao ser anunciada novamente a vinda de Jesus para buscar Sua Igreja – a candeia voltou a ser colocada no velador. Mas esse movimento não se restringiu apenas à Inglaterra. Também nos Estados Unidos muitos se levantaram e começaram a publicar material falando da volta de Jesus para a Igreja e tornando esse o tema central de suas pregações.

Darby era de opinião que a Igreja tinha entrado em decadência desde o tempo dos apóstolos. Ele pretendia contribuir para um renascimento dos tempos apostólicos. Uma enciclopédia teológica diz de Darby: "Extensas viagens pela Europa ocidental, à América do Norte e à Austrália contribuíram para o ajuntamento espiritual da igreja de Filadélfia nos tempos finais, preparando-a para a volta de Jesus".

No século 19 descobriu-se novamente a diferença entre o "arrebatamento" e o "Dia do Senhor". Paralelamente surgiram muitas igrejas independentes, pois havia homens e mulheres corajosos que romperam com os sistemas eclesiásticos vigentes na época, passando a pregar a mensagem clara da iminente volta do Senhor.

Como aconteceu esse despertamento, como foi redescoberta a verdade sobre o arrebatamento? Foi como se, de repente, as pessoas acordassem de um longo e profundo sono! Certamente esse foi um chamado do Espírito Santo de Deus, que repentinamente despertou a muitos por estarmos nos aproximando da volta de Jesus! Sim, realmente nos encontramos na hora da meia-noite, quando soará o chamado do Espírito: "Eis o noivo! Saí ao seu encontro!"

Certamente não foi por acaso que, paralelamente com esse reavivamento espiritual da Igreja de Jesus, tenha se iniciado também a restauração de Israel e o repentino despertar dos judeus para retornarem à sua pátria. Esses dois movimentos são dirigidos pelo Espírito Santo. Maranata! Vem, nosso Senhor!

3 Perguntas Sobre o Tempo do Fim


"Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada. No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estais coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século. E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores. Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim. Quando, pois, virdes o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel, no lugar santo (quem lê entenda), então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes; quem estiver sobre o eirado não desça a tirar de casa alguma coisa; e quem estiver no campo não volte atrás para buscar a sua capa. Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado; porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais. Não tivessem aqueles dias sido abreviados, ninguém seria salvo; mas, por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados. Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grande sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto!, não saiais. Ou: Ei-lo no interior da casa!, não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra no ocidente, assim há de ser a vinda do Filho do Homem. Onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres" (Mt 24.1-28).

Sobre os acontecimentos dos tempos finais, é recomendável ler também os versículos restantes de Mateus 24 e todo o capítulo 25. A respeito, vamos perguntar-nos:

1. A quem Jesus dirigiu, em primeiro lugar, as palavras de Mateus 24 e 25?

A resposta é: basicamente aos judeus – e não à Igreja

• Nessa ocasião a Igreja ainda era um mistério. Somente no Pentecoste ela foi incluída no agir de Deus e, posteriormente, revelada através de Paulo.

• Portanto, o texto também não está falando do arrebatamento, quando Jesus virá para buscar Sua Igreja, mas trata da volta de Jesus em grande poder e glória para Seu povo Israel, após a Grande Tribulação (Mt 24.29-31). Jesus só falou do arrebatamento mais tarde, pouco antes do Getsêmani, como está registrado em João 14. Até então os discípulos, como judeus, só sabiam da era gloriosa do Messias que viria para Israel (por exemplo, Lucas 17.22-37).

• Os discípulos a quem Jesus Se dirigiu em Mateus 24 e 25 evidentemente eram judeus. Em minha opinião, eles simbolizam o remanescente judeu fiel, que crerá no Messias no tempo da Grande Tribulação.

• No sermão profético do Senhor Jesus no Monte das Oliveiras, Ele predisse como será a situação dos judeus no período imediatamente anterior à Sua volta.

• Falsos profetas e falsos cristos, como são chamados em Mateus 24.5,23,26, representam um perigo para Israel. A Igreja enfrenta outros perigos, pois deve preocupar-se mais com falsos mestres, falsos apóstolos e falsos evangelistas e em discernir os espíritos (2 Co 11.13; 2 Pe 2.1; Gl 1.6-9). Filhos de Deus renascidos pelo Espírito Santo certamente não vão sucumbir às seduções de falsos cristos e cair nesses enganos.

• O "abominável da desolação" (Mt 24.15) diz respeito claramente à terra judaica, ao templo judaico e aos sacrifícios judeus. Já o profeta Daniel falou a respeito. E Daniel não falava da Igreja, mas de "teu povo... e de tua santa cidade" (Dn 9.24).

• A frase: "então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes" (Mt 24.16), é bem clara. Trata-se nitidamente da terra de Israel. Pois no Novo Testamento a Igreja de Jesus nunca é conclamada a fugir para os montes.

• Igualmente o texto que fala do sábado diz respeito aos judeus, aos seus costumes e suas leis (v. 20).

• Também a parábola da figueira (v. 32) é uma representação simbólica da nação judaica. Do mesmo modo, a expressão "esta geração" (v. 43) aplica-se a Israel.

2. A que época o Senhor se refere em Mateus 24?

A resposta à pergunta anterior nos conduz automaticamente ao tempo em que esses fatos acontecerão. Trata-se da época em que Deus começará a agir novamente com Seu povo Israel de maneira coletiva, levando o povo da Aliança ao seu destino final (v. 3), que é a vinda do seu Messias e o estabelecimento de Seu reino. O centro de todas as profecias de Mateus 24 e 25 é ocupado pelos sete anos que são os últimos da 70ª semana de Daniel (Dn 9.24-27). Devemos estar cientes de que esse período é a consumação do século, o encerramento de uma era, e não apenas o transcorrer de um tempo. O sinal do fim dos tempos é a última semana, a 70ª semana de Daniel.

Todos os sinais que o Senhor Jesus predisse em Mateus 24, que conduzirão à Sua vinda visível (v. 30), têm seus paralelos no Apocalipse, nos capítulos de 6 a 19. Mas nessa ocasião a Igreja de Jesus já terá sido arrebatada, guardada da "hora da provação" (Ap 3.10).

Os últimos sete anos – divididos em três etapas (Mt 24.4-28)

1. Os versículos 4-8 descrevem, segundo meu entendimento, a primeira metade da 70ª semana de Daniel. O versículo 8 diz claramente: "porém tudo isto é o princípio das dores". As dores não dizem respeito a uma época qualquer, elas definem especificamente o tempo da Tribulação, comparado na Bíblia "às dores de parto de uma mulher grávida" (1 Ts 5.3; veja também Jr 30.5-7). O princípio das dores são os primeiros três anos e meio da 70ª semana. Assim como existem etapas iniciais e finais nas dores que antecedem um parto, também esses últimos 7 anos dividem-se em duas etapas de três anos e meio. Há um paralelismo e uma concordância quase literal entre Mateus 24.4-8 e Apocalipse 6, onde o Senhor abre os selos de juízo:

• Falsos cristos (Mt 24.5) – primeiro selo: um falso cristo (Ap 6.1-2).

• Guerras (Mt 24.6-7) – segundo selo: a paz será tirada da terra (Ap 6.3-4).

• Fomes (Mt 24.7) – terceiro selo: um cavaleiro montado em um cavalo preto com uma balança em suas mãos (Ap 6.5-6).

• Terremotos (Mt 24.7), epidemias (Lc 21.11) – quarto selo: um cavaleiro montado em um cavalo amarelo, chamado "Morte" (Ap 6.7-8).

2. Nos versículos 9-28 temos a descrição da Grande Tribulação, ou seja, a segunda metade (três anos e meio) da 70ª semana de Daniel.

• Nesse tempo muitos morrerão como mártires (Mt 24.9) – quinto selo (Ap 6.9-11).

• Coisas espantosas e grandes sinais no céu anunciam a chegada do grande dia da ira do Senhor (Lc 21.11) – sexto selo (Ap 6.12-17).

• Em Israel, muitos trairão uns aos outros (Mt 24.10, veja também Mt 10.21).

• O engano e a impiedade se alastrarão, o amor esfriará, significando que muitos apostatarão de sua fé (Mt 24.11-12, veja 2 Ts 2.10-11). Quem perseverar até o fim verá a volta do Senhor e entrará no Milênio (Mt 24.13).

• O Evangelho do Reino será pregado por todo o mundo (v. 14). Ele não deve ser confundido com o Evangelho da graça, anunciado atualmente. O Evangelho do Reino é a mensagem que será transmitida no tempo da Tribulação pelo remanescente e pelos 144.000 selados do povo de Israel, chamando a atenção para a volta de Jesus, que então virá para estabelecer Seu Reino (compare Apocalipse 7 com Mateus 10.16-23).

3. Mateus 24.15 refere-se à metade da 70ª semana de Daniel, o começo dos últimos três anos e meio de tribulação.

A "abominação desoladora" não teve seu cumprimento na destruição do templo em 70 d.C., pois refere-se à afirmação de Daniel, que aponta claramente para o fim dos tempos (Dn 12.1,4,7,9,11).

• A profecia da "abominação desoladora" de Daniel teve um pré-cumprimento aproximadamente em 150 a.C., na pessoa de Antíoco Epifânio. Daniel 11.31 fala a respeito.

• A "abominação desoladora" cumpriu-se parcialmente em 70 d.C. através dos romanos, que destruíram o templo.

• Mas "abominável da desolação" de que Jesus fala em Mateus 24.15 será estabelecido apenas pelo anticristo, vindo a ter seu cumprimento pleno e definitivo na metade dos últimos sete anos (como profetizado em Daniel 12). Essa profecia de Daniel é claramente para o tempo do fim (vv. 4,9), referindo-se a um tempo de tão grande angústia como jamais houve antes (v. 1), que durará "um tempo, dois tempos e metade de um tempo". É dessa Grande Tribulação, desse período de imenso sofrimento e angústia, que Jesus fala em Mateus 24.21 (veja Jr 30.7).

Nos versículos a seguir, de 16 a 28, o Senhor Jesus explica como o remanescente dos judeus deve comportar-se durante a Grande Tribulação:

• Eles devem fugir (veja Ap 12.6).

• Esses dias serão abreviados para três anos e meio, para que os escolhidos sejam salvos.

• Falsos cristos e falsos profetas farão milagres e sinais (veja Ap 13.13-14).

• Mas então, finalmente, diante dos olhos de todos, o Senhor virá "como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente". Esses dias da ira de Deus (Lc 21.22), ou melhor, esses dias da ira de Deus e do Cordeiro (Ap 6.17), são descritos assim: "Onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres" (Mt 24.28). O "cadáver" representa o judaísmo apóstata, afastado de Deus, e o sistema mundial sob a regência do anticristo, no qual reinará a morte e o "hades". Os "abutres" simbolizam o juízo de Deus.

Como já foi mencionado, não creio que em Mateus 24.15 o Senhor Jesus esteja referindo-se à destruição do templo em 70 d.C., mas penso que Ele está falando do tempo do fim. Ele menciona a destruição do templo e de Jerusalém em Lucas 21, fazendo então a ligação com os tempos finais. Aliás, este é o sentido dos quatro Evangelhos: apresentar ênfases diferenciadas dos relatos. Os Evangelhos tratam da profecia como também nós devemos fazê-lo, manejando bem a palavra da verdade (2 Tm 2.15).

Em Lucas 21.20 e 24 o Senhor diz: "Quando, porém, virdes Jerusalém sitiada de exércitos, sabei que está próxima a sua devastação. Cairão ao fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e, até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles." Isso cumpriu-se em 70 d.C.

Mas Mateus 24 menciona algo que não aparece no Evangelho de Lucas, pois cumprir-se-á apenas nos tempos do fim: "o abominável da desolação" (v. 15).

No Evangelho de Lucas, que trata primeiro da destruição do templo em 70 d.C., está escrito: "...haverá grande aflição na terra" (Lc 21.23) (não está escrito: "grande tribulação"). Mas em Mateus 24, que em primeira linha fala dos tempos do fim, lemos sobre uma "grande tribulação" "como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais" (v. 21). A expressão "grande tribulação" diferencia nitidamente a angústia de 70 d.C. da "grande tribulação" no final dos tempos.

3. Qual é a mensagem desse texto bíblico para nós hoje?

Essa passagem tem forte significado para os crentes de hoje, pois sabemos que os impressionantes acontecimentos da Grande Tribulação lançam suas sombras diante de si e que, por essa razão, o arrebatamento da Igreja deve estar muito próximo.

• Nosso mundo está muito inquieto. Há conflitos em muitos países e torna-se mais e mais evidente a possibilidade de guerras devastadoras em futuro próximo. Mais de 400.000 cientistas estão atualmente ocupados em melhorar sistemas bélicos ou em desenvolver novos armamentos.

• Grande parte da humanidade passa fome.

• Terremotos, tempestades, inundações e doenças imprevisíveis, além de outros fenômenos e catástrofes da natureza, aumentam dramaticamente em progressão geométrica, como as dores de parto da que está para dar à luz.

• Grande parte dos cristãos é perseguida. Muitos chegam a falar de uma "escalada" nas perseguições nos últimos anos.

• Também a sedução e o engano através de falsas religiões é comparável a uma avalanche. O clamor pelo "homem forte" torna-se mais audível. Qualquer coisa passa a ser anunciada como "deus" ou "salvador" – e as pessoas agarram-se ansiosas a essas ofertas enganosas. Ao mesmo tempo acontece uma apostasia nunca vista, um crescente afastamento da Bíblia e do Deus vivo.

As dores da Grande Tribulação anunciarão a vinda do Filho do Homem. Não nos encontramos diante do fim do mundo, mas nos aproximamos do fim de nossa era (Mt 24.3). O Filho de Deus não nos trará o fim, mas um novo começo. Jesus Cristo não é apenas a esperança para o futuro do mundo, mas a esperança para toda pessoa, para cada um que invocar Seu Nome!